AUTOTRANSPLANTE CONJUNTIVAL EM PTERÍGIO


 Também conhecido como “carnosidade” ou “vilídea” dentre outros apelidos, o pterígio é formado por uma porção da conjuntiva de forma triangular que dividimos em 2 porções:
Corpo e Cabeça do Pterígio: Essa estrutura vai lentamente invadindo a córnea, tanto em direção a pupila como, ao mesmo tempo, se aprofundando na córnea como se fora “raízes”. Essas são as causas de baixa da visão e da cicatriz que fica após a sua exérese.

São seguintes as técnicas empregadas para a exérese (remoção) do pterígio:
1 – ESCLERA NUA - Técnica antiga, em desuso, na qual simplesmente se retira o pterígio juntamente com a conjuntiva que o recobre, sem pontos.
2- FECHAMENTO CONJUNTIVAL. – após a remoção do pterígio dar-se pontos na conjuntiva, cobrindo boa parte da esclera.
3-EXÉRESE COM AUTO-TRANSPLANTE CONJUNTIVAL – essa é a técnica mais utilizada no momento. A conjuntiva transplantada pode ser fixada no local com pontos ou com cola biológica. Essa técnica é a que empregamos em nosso Hospital de Olhos.



Voltar

OUTRAS CIRURGIAS

FILTRAR: A |B |C |D |E |F |G |H |I |J |K |L |M |N |O |P |Q |R |S |T |U |V |W |X |Y |Z |      Créditos


APLICAÇÃO INTRAVÍTREA DE ANTIANGIOGÊNICO


Essa aplicação, método mais eficaz no tratamento de doenças vítreo-retinianas.
Detalhar

APLICAÇÃO INTRAVÍTREA DE ANTIBIÓTICO


Utilizados em casos de endoftalmites quando já envolve estruturas nobres vítreo-retinianas.
Detalhar

APLICAÇÃO INTRAVÍTREA DE TRIANCINOLONA


O tratamento em curto prazo do edema macular refratário, quando diz respeito a espessura macular verificada em OCT.
Detalhar